II Seminário Paulista de autismo 2010

II Seminário Paulista de autismo 2010

04 março 2012

Early childhood exposure to anesthesia and risk of developmental and behavioral disorders in a sibling birth cohort.


Autor(es): DiMaggio C; Sun LS; Li G

Fonte: Anesth Analg; 113(5): 1143-51, 2011 Nov.
 Artigo [MEDLINE PMID: 21415431 ] Idioma: Inglês
Tipo de publicação: Artigo de Revista; Research Support, N.I.H., Extramural
BACKGROUND: In vitro and in vivo studies of anesthetics have demonstrated serious neurotoxic effects on the developing brain. However, the clinical relevance of these findings to children undergoing anesthesia remains unclear. Using data from a sibling birth cohort, we assessed the association between exposure to anesthesia in the setting of surgery in patients younger than 3 years and the risk of developmental and behavioral disorders. METHODS: We constructed a retrospective cohort of 10,450 siblings who were born between 1999 and 2005 and who were enrolled in the New York State Medicaid program. The exposed group was 304 children without a history of developmental or behavioral disorders who underwent surgery when they were younger than 3 years. The unexposed group was 10,146 children who did not receive any surgical procedures when they were younger than 3 years. Exposed children were entered into analysis at the date of surgery. Unexposed children were entered into analysis at age 10 months (the mean age at which exposed children underwent surgery). Both exposed and unexposed children were followed until diagnosis with a developmental or behavioral disorder, loss to follow-up, or the end of 2005. The association of exposure to anesthesia with subsequent developmental and behavioral disorders was assessed with both proportional hazards modeling, and pair-matched analysis. RESULTS: The incidence of developmental and behavioral disorders was 128.2 diagnoses per 1000 person-years for the exposed cohort and 56.3 diagnoses per 1000 person-years for the unexposed cohort. With adjustment for sex and history of birth-related medical complications, and clustering by sibling status, the estimated hazard ratio of developmental or behavioral disorders associated with any exposure to anesthesia when they were younger than 3 years was 1.6 (95% confidence interval [CI]: 1.4, 1.8). The risk increased from 1.1 (95% CI: 0.8, 1.4) for 1 operation to 2.9 (94% CI: 2.5, 3.1) for 2 operations and 4.0 (95% CI: 3.5, 4.5) for ≥3 operations. The relative risk in a matched analysis of 138 sibling pairs was 0.9 (95% CI: 0.6, 1.4). CONCLUSION: The risk of being subsequently diagnosed with developmental and behavioral disorders in children who were enrolled in a state Medicaid program and who had surgery when they were younger than 3 years was 60% greater than that of a similar group of siblings who did not undergo surgery. More tightly matched pairwise analyses indicate that the extent to which the excess risk is causally attributable to anesthesia or mediated by unmeasured factors remains to be determined.

tradução
JUSTIFICATIVA: In vitro e in vivo de anestésicos demonstraram graves efeitos neurotóxicos sobre o cérebro em desenvolvimento. No entanto, a relevância clínica destes resultados para crianças submetidas à anestesia permanece obscuro. Usando dados de uma coorte de nascimentos de irmãos, que avaliaram a associação entre a exposição a anestesia no cenário da cirurgia em pacientes com menos de 3 anos eo risco de transtornos de desenvolvimento e comportamentais. MÉTODOS: Foram construídos uma coorte retrospectiva de 10.450 irmãos que nasceram entre 1999 e 2005 e que foram inscritos no Estado de Nova York programa Medicaid. O grupo exposto foi de 304 crianças sem história de transtornos de desenvolvimento ou de comportamento que se submeteram à cirurgia quando eram menores de 3 anos. O grupo não exposto foi 10,146 crianças que não receberam todos os procedimentos cirúrgicos quando eram menores de 3 anos. Crianças expostas foram inseridos em análise na data da cirurgia. Crianças não expostas foram inseridos em análise na idade de 10 meses (a idade média em que as crianças expostas foram submetidos à cirurgia). Ambos expostos e não expostos crianças foram acompanhadas até o diagnóstico com um distúrbio de desenvolvimento ou de comportamento, perda de follow-up, ou no final de 2005. A associação da exposição a anestesia com posteriores distúrbios de desenvolvimento e comportamentais foi avaliada com a modelação de riscos proporcionais, e pareado análise. RESULTADOS: A incidência de transtornos de desenvolvimento e comportamentais foi de 128,2 diagnósticos por 1000 pessoas-ano para a coorte de expostos e 56,3 diagnósticos por 1000 pessoas-ano para a coorte de não expostos. Com o ajuste para sexo e história do nascimento relacionados com complicações médicas, e agrupamento pelo estado irmão, a razão de risco estimada de transtornos de desenvolvimento ou comportamentais associados com a exposição a anestesia quando eram mais jovens do que 3 anos foi de 1,6 (95% intervalo de confiança [IC ]: 1,4, 1,8). O risco aumentou de 1,1 (IC 95%: 0,8, 1,4) por 1 operação para 2,9 (94% CI: 2,5, 3,1) por 2 operações e 4.0 (95% CI: 3,5, 4,5)? Para a ¥ 3 operações. O risco relativo em uma análise combinada de 138 pares de irmãos foi de 0,9 (IC 95%: 0,6, 1,4). CONCLUSÃO: O risco de ser posteriormente diagnosticados com transtornos de desenvolvimento e comportamentais em crianças que foram inscritos em um programa de Medicaid do estado e que teve a cirurgia quando eram mais jovens do que 3 anos foi 60% maior do que a de um grupo similar de irmãos que não se submeteram cirurgia. Mais firmemente encontrados análises emparelhadas indicam que a extensão em que o excesso de risco é causalmente atribuível a anestesia ou mediada por factores não medidos continua a ser determinado.